Notícias

Últimas notícias do Atelier Fechar
04 Dez

Foto: Divulgação/João Caldas F.

O público paulistano tem a possibilidade de ver sem gastar um só centavo o melhor musical apresentado na cidade neste ano de 2014. Trata-se de O Homem de la Mancha, adaptado e dirigido por Miguel Falabella do texto original de Dale Wasserman, com música de Mitch Leigh e letras de Joe Darion, encenado pela primeira vez em 1965 e com produção brasileira histórica em 1972, com Paulo Autran, Bibi Ferreira, Dante Rui e Grande Othelo, sob direção de Flávio Rangel.

Prestes a completar cinco décadas de vida, o espetáculo celebra os 50 anos do Teatro do Sesi São Paulo, onde fica em cartaz com sessões de quarta a domingo até 21 de dezembro de 2014.

O Homem de la Mancha de Falabella é um musical redondo, bem produzido. Além de ser puro entretenimento, traz consigo um discurso político inquietante e questionador da sociedade na qual vivemos. Para completar, conta com atuações memoráveis tanto no quesito artístico quanto técnico.

Elenco expressivo

O diretor conseguiu reunir elenco de peso, com nomes expressivos do mundo do musical brasileiro neste século 21. E é generoso com este, dando às atuações papel fundamental na obra. O trio de protagonista é irretocável.

Cleto Baccic constrói um Dom Quixote que exala verdade em cada “loucura”. O ator dá intensidade ao personagem, fazendo com que cada palavra que diga tenha perspicácia e sabedoria embutida com nuance. Há evidente trabalho de corpo e voz. E presença de sobra.

O ator segura a obra sem esforço aparente. O que, por si só, é resultado de muito trabalho. Sem dúvida, o personagem de Dom Quixote é um dos grandes momentos na carreira do artista.

Por sua vez, Sara Sarres, outra experiente atriz dos musicais, transmite toda força que sua Aldonza, ou Dulcinéia, necessita para fazer par com Baccic. Tem domínio de voz, corpo e técnica. Com forte presença cênica, empresta altivez e dignidade à sua personagem prostituta e tão maltratada pela vida. Quem não se apaixonar por ela é porque não tem libido.

Mas o grande charme no trio de protagonistas é, sem dúvida, Jorge Maya. Na pele de Sancho, o fiel escudeiro de Dom Quixote, o ator arrebata a plateia com um carisma genuíno e um preciso tempo para comédia.

O restante do elenco segue atrás do ritmo do trio de protagonistas. E o faz muito bem. Guilherme Sant’Anna, com sua voz de trovão, é sempre uma aparição interessante. Carlos Capeletti, mesmo em papel pequeno, se faz presente e mostra seu domínio do humor.

Outros grandes nomes dos musicais também aproveitam bem o que têm e mostram serviço, gente como Frederico Silveira, Ivan Parente (que segurou muito bem o posto de protagonista na produção anterior de Falabella, A Madrinha Embriagada) e Kiara Sasso, uma das estrelas do gênero, agora em um papel simples, mas que ela sabe potencializar.

Coro vigoroso

O coro segue no mesmo ritmo. Mesmo no fundo, no alto de uma escada ou num canto escuro do palco, estão todos ali, vivenciando cada emoção que a obra propõe. E o público percebe esse vigor dos artistas e se envolve com a história.

Por isso, merecem citação nome por nome: Ivanna Domenyco, Edgar Bustamente, Frederico Reuter, Arízio Magalhães, Fabi Bang, Luciana Milano, Anelita Gallo, Clarty Galvão, Carol Isolani, Ingrid Gaigher, Jana Amorim, Mariana Saraiva, Naomy Schölling, Elton Towersey, Ditto Leite, Felipe Guadanucci, Johnny Camolese, Jessé Scarpellini, Julio Mancini, Lázaro Menezes, Marcelo Góes, Pedro Arrais, Philipe Azevedo, Tiago Kaltenbacher, Tony Germano, Ygor Zago e Vandson Paiva.

Técnica em harmonia

Na parte técnica, Claudio Bauzys faz uma direção musical que faz a história fluir em ritmo harmonioso, e o mérito também é de Gabriel D’Angelo, que criou o desenho de som da obra. Nada soa agressivo, é tudo um fluído constante. Destaque para o talento da orquestra regida por Ronnie Kneblewski.

Kátia Barros, por sua vez, mostra criatividade revigorante nas coreografias que o elenco executa de forma precisa. Ultimamente, os musicais andam repletos de coreografias preguiçosas e ver este trabalho em cena é um alento a quem aprecia a dança.

A estética do musical teve forte inspiração na obra de Arthur Bispo do Rosário, ícone das artes plásticas brasileiras que passou a vida inteira internada num manicômio.

Ela está nos figurinos do emblemático Claudio Tovar, que exalam brasilidade em cada tela e são peças fundamentais na ambientação, dialogando constantemente com o cenário de Matt Kinley — outro achado diante dos pavorosos cenários de LED ou de plataformas de madeira que enfeiam muitos musicais em São Paulo.

Também merece menção a luz envolvente e inteligente de Drika Matheus, que dialoga diretamente com cada emoção da peça. E, em muitos momentos, a transforma em pintura.

O Homem de la Mancha é uma produção que mostra o nível de excelência conquistado pelo teatro musical nacional, que nada fica a dever para qualquer outro feito no exterior. Ele só precisa de apoio. De gente que acredite que é possível. E mostra isso ao fazer um clássico mundial com nossa pitada brasileira em uma resultado de qualidade inquestionável.

O Homem de la Mancha
Avaliação: Ótimo
Quando: quarta a sexta, 21h; sábado, 17h e 21h; domingo, 19h. 105 min. Até 21/12/2014
Onde: Teatro do Sesi-SP (av. Paulista, 1313, São Paulo, tel. 0/xx/11 3284-9787)
Quanto: Grátis (reservar pelo site ou telefone)
Classificação etária: 10 anos

 

Fonte: Miguel Arcanjo Prado – R7

http://entretenimento.r7.com/blogs/teatro/2014/10/19/critica-o-homem-de-la-mancha-e-o-musical-do-ano-de-2014/